segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Eis que vos envio o profeta Elias


“Eis que vos envio o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor;
E converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição." (Malaquias 4:5-6)
Cada vez que Deus tem revelado sua Palavra, o tem feito através de um profeta. Enoque foi um profeta do tempo antediluviano. Deus lhe revelou Sua Palavra, e ele falou de eventos que ainda estão por suceder. Três gerações depois, Deus levantou a Noé e lhe revelou a situação espiritual e o juízo iminente do dilúvio. Porém eles não creram.
Essa é a maneira que Deus tem estabelecido, segundo as Escrituras, para falar ao povo: “E todo o povo viu os trovões e os relâmpagos, e o sonido da buzina, e o monte fumegando; e o povo, vendo isso, retirou-se e pôs-se de longe. E disseram aMoisés: Fala tu conosco e ouviremos e não fale Deus conosco, para que não morramos” (Exôdo 20:18-19).
"Chega-te tu, e ouve tudo o que disser o Senhor nosso Deus, e tu nos dirás tudo o que disser o Senhor nosso Deus, e ouviremos, e o faremos." (Deuteronômio 5:27).
"Então o Senhor me disse: Bem falaram naquilo que disseram. Eis que lhes suscitarei um profeta no meio de seus irmãos, como tu; e porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar. E será que qualquer que não ouvir as minhas palavras, que eu falar em meu nome, eu o requererei dele." (Deuteronômio 18:16-19).
Por estas Escrituras, vemos que o povo não pode suportar a voz direta de Deus; portanto, pediram a Moisés que entrasse na presença de Deus e ouvisse as palavras que Deus tinha para eles, e logo lhes dissesse tudo o que Deus lhe houvesse dito. Essa atitude do povo foi aprovada por Deus e desde então você não tem a Deus falando diretamente ao povo senão através de um profeta.
Deus estabeleceu ali que sua revelação viria sempre através de um profeta; e assim tem sucedido sempre. Cada profeta de Deus tem trazido a revelação da Palavra para o tempo em que tem sido levantado. Cada um deles trouxe a porção que correspondia para seu tempo, até que apareceu João Batista, o último dos profetas do Antigo Testamento, quem introduziu a Cristo, a plenitude da Palavra. Os profetas anteriores tiveram porções da Palavra, porém Cristo foi a plenitude da Palavra, Cristo foi o Profeta por excelência com toda a revelação da Palavra de Deus.
A dispensação Judia terminou com o maior dos profetas hebreus, João Batista, de quem Jesus disse: “E eu vos digo que, entre os nascidos de mulheres não há maior profeta do que João batista; mas o menor do reino de Deus é maior do que ele”(Lucas 7:28).
O Senhor o identificou como profeta de quem falou Malaquias: “Este é aquele de quem está escrito: Eis que envio o meu anjo diante da tua face, o qual preparará diante de ti o teu caminho” (Lucas 7:27). Pois, João foi quem introduziu o Messias para Israel: sem dúvida, os líderes religiosos não creram, antes fizeram-lhe tudo o que quiseram. Estava anunciado nas Escrituras que viria diante do Senhor para preparar o caminho; sem dúvida o mundo religioso de seu dia, tendo as Escrituras, não o receberam. Ainda que os profetas não dissessem que se chamaria JOÃO, sem dúvida, a vindicação de Deus em sua vida e ministério provava que este era o mensageiro que tinha de vir diante do Messias. Porém aqueles líderes religiosos, junto com o povo, estavam cegos para a Palavra e para a obra que Deus estava fazendo ao seu redor.
Eles estavam esperando um profeta e ao Messias; porém quando apareceram, os rejeitaram. Porque os rejeitaram? Porque aqueles religiosos tinham se apartado da Palavra e estavam apoiados em suas próprias interpretações. Os ensinamentos deste profeta não tinham afinidade com as crenças daqueles grupos religiosos; porque um profeta de Deus não vem para confraternizar com as organizações religiosas, senão para trazer a Palavra de Deus. Deus não envia um profeta quando tudo anda bem, senão quando dentro do povo há coisas torcidas que devem ser endireitadas. Então o profeta vem com a Palavra cortante e forte para fustigar tudo o que seja contrário a Palavra de Deus; porém os religiosos não aceitam tal admoestação porque golpeia fortemente seus costumes e crenças nas quais estão estabelecidos; por conseguinte, se levantam contra a mensagem e o mensageiro, e lhe resistem como Janes e Jambres resistiram a Moisés. Assim sucedeu no Antigo e Novo Testamento, e hoje sucederá o mesmo.
Hoje, mais que nunca, se necessita de um verdadeiro profeta de Deus para tirar o povo do Senhor da confusão denominacional que reina no mundo chamado cristão, donde as tradições e interpretações privadas tem tomado o lugar da Palavra, e donde os sistemas denominacionais tem usurpado o lugar do Espírito Santo na direção das coisas espirituais.
Neste tempo quando as igrejas estão sumidas em tanta contaminação mundana, pobres, cegas, miseráveis e nuas, porém crendo que estão ricas espiritualmente, e que não tem necessidade de nada; então é quando se necessita um profeta com autoridade de Deus para declarar a verdadeira condição espiritual da igreja, e para abrir os olhos dos predestinados da hora, a fim de que pudessem ver a Palavra pura do Senhor.
Se você é uma semente de Deus, sem dúvida que já se tem dado conta da condição espiritual do mundo que hoje se chama cristão, assim como também da necessidade de um profeta para tirar aos verdadeiros filhos de Deus da confusão denominacional que impera neste tempo.
Qualquer pessoa que lê as Escrituras com revelação divina, pode perceber a hora em que estamos vivendo, porque todos os eventos anunciados para este tempo, já estão presentes: Israel está em sua terra demonstrando ser uma nação forte; a multiplicação da maldade a vemos em todas as fases da vida humana; o mesmo se pode dizer quanto a ciência, a qual tem-se multiplicado em todos os aspectos; a frieza nas igrejas não a pode negar nenhuma pessoa sensata; as igrejas estão mundanizadas e convertidas em clubes de religiosos; os chamados cristãos se tem conformado com os costumes e sistemas do mundo em todos os aspectos de suas organizações religiosas; e muitas religiões estão hoje convertidas em negócios lucrativos.
Esta é a apostasia do fim. A condição do mundo e das igrejas é um prognóstico da aproximação do juízo de Deus, a Grande Tribulação. Porém o sinal mais importante do tempo do fim, é a presença do profeta que Deus tinha prometido enviar antes do juízo; o qual restauraria todas as coisas, todas as verdades de Deus que os homens tem pervertido no decorrer dos séculos.
“Eis que eu vos envio o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor”. (Malaquias 4:5).
"E respondendo Jesus, lhes disse: Em verdade, Elias virá primeiro e restaurará todas as coisas". (Mateus17:11).
Esta restauração tão ignorada pelo mundo religioso enriquecido por suas conquistas materiais, é o sinal mais evidente do tempo em que estamos vivendo e da breve vinda do Senhor, pois as Escrituras dizem: “O qual convém que o céu o contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio” (Atos 3:21).
Esse profeta Elias anunciado para este tempo, tem estado na terra com sua mensagem restauradora, porém a grande maioria ignora este fato; portanto, se tem repetido o caso que sucedeu com João Batista, o precursor da primeira vinda do Senhor: “Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem”.
O mesmo Senhor falando de João como Elias daquele tempo, também falou do Elias que tinha que vir antes de sua Segunda vinda para restaurar todas as coisas: “E os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Porque dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro?
E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas;
Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram mas fizeram-lhe tudo o que quiseram" (Mateus 17:10-12). Vemos nesta porção das Escrituras, que o Senhor Jesus Cristo fala em dois tempos gramaticais em relação com Elias: UM QUE JÁ VEIO – PASSADO – que foi João Batista; e o outro que tinha de vir – FUTURO – para restaurar todas as coisas.
Temos que entender que o Senhor não está procurando alterar a Gramática, nem tampouco brincando com as palavras, senão falando de um Elias que estava no futuro – virá primeiro, e restaurará todas as coisas – e de outro que estava no passado – “Elias já veio, e não o conheceram” – Aqui temos os dois homens com os dois ministérios profetizados em Malaquias capítulo quatro: “Converterá o coração dos pais aos Filhos, e o coração dos filhos aos pais”.
Então não há dúvida que Elias tinha que vir antes da Grande Tribulação, porque tinha uma obra para levar a cabo: “Converterá o coração dos filhos aos pais”; pois a outra parte deste ministério já estava realizado por João: “Converter o coração dos pais aos filhos”
(Malaquias 4:6).
João preparou aos pais para que Jesus pudesse dar as boas vindas dos filhos ao entrar no redil. De modo que aqueles homens, os pais da igreja primitiva, fosse preparados por João para que recebessem a Cristo, a Palavra; porém o Elias desta era tinha de converter aos filhos dos últimos dias a fé dos Pais do dia de Pentecostes. Este profeta prepararia aos filhos para dar as boas vindas a Jesus; é dizer, sua mensagem levaria aos verdadeiros filhos de Deus a fé primitiva dos apóstolos e profetas; lhes preparando assim para a segunda vinda do Senhor.
O Senhor sabia que as igrejas estariam nesta condição de frieza espiritual quando chegasse o tempo do fim; ele sabia que o cristianismo chegaria a este estado de conformismo mundano que hoje estamos vendo; portanto, anunciou que viria um tempo no qual restauraria todas as coisas, antes do rapto (Atos 3:21). Também prometeu que levaria esta estauração a cabo por meio do profeta Elias (Mateus17:11).
Todos sabemos que Elias foi um profeta que ministrou em Israel durante um tempo de grande apostasia. Quando Deus tomou a Elias, “o espírito de Elias repousou sobre Eliseu” (2 Reis 2:15); logo antes da primeira vinda do Senhor, João veio com o espírito e virtude de Elias… afim de preparar ao Senhor um povo bem disposto. (Lucas 1:17), porém está prometido que Elias viria antes do dia grande e terrível do Senhor (Malaquias 4:5) a Grande Tribulação; e finalmente aparecerá junto com Moisés durante o tempo da Grande Tribulação. (Apoc 11:3).
Agora, sabendo que estamos no tempo do fim e que a Grande Tribulação está as portas, temos que entender que o profeta Elias já tem estado presente para cumprir esta restauração prometida pelo Senhor. Porém não é uma reencarnação do Elias do Passado; como tampouco o foi no caso de João; senão o ministério deste homem manifestado num mundo religioso com condições semelhantes as que imperaram durante seu dia. É o ministério de Elias num homem sem temor e desprendido de todo interesse material, com uma mensagem cortante, como o machado à raiz das árvores, denunciando toda coisa contrária a palavra de Deus, e convidando ao povo a voltar para a Palavra e a uma entrega completa ao Senhor.
Todos os que tem conhecido a vida e o ministério do irmão William Marrion Branham, sabem que Deus o vindicou como o profeta mensageiro desta era; e mesmo sua mensagem assinala como tal porque está em completa harmonia com as Escrituras.
Deus tem cumprido sua Palavra para esta era, e o verdadeiro povo de Deus está se preparando para o rapto; porém não obstante, muitos chamados cristãos nem sabem o que tem acontecido.
Amado irmão, abre teus olhos antes que seja demasiado tarde, busca a presença do Senhor e esquadrinha as Escrituras, porque nela está o plano de Deus para esta hora.
"Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas." (Amós 3:7).

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Qual é o nome de Deus???


Deus tem nome?
Isaias 52 : 6
Portanto o meu povo saberá o meu nome; pois, naquele dia, saberá que sou eu mesmo o que falo: Eis-me aqui
Neste versículo vemos algo tremendo a respeito da palavra do Senhor; pois aqui está bem claro: diz o povo do Senhor saberá o seu nome. Mas será que você conhece o nome do nosso Deus? Ou simplesmente tem conhecido só alguns de seus títulos como:
EL ÔLAM Deus Eterno
ATTIQ YÔMIN Antigo de Dias
EL ELHÔHÊ ISRAEL Deus de Israel
EL ELAH Todo.Poderoso
JEOVÁ JIRÉ O Senhor provê
ELOHIM Criador
JEOVÁ NISSI O Senhor é a minha bandeira
ADONAI Senhor
JEOVÁ SHALOM O Senhor é paz
ELIOM Altíssimo
JEOVÁ TSIDIKENU O Senhor é a nossa justiça
KADOSH Santo
JEOVÁ SHAMMAH O Senhor está presente
GIBBOR Poderoso
JEOVÁ SEBHÃÔH Senhor dos Exércitos
MAOR Criador da Luz
KADOSH ISRAEL Santo de Israel
SHAPHATAR Juiz
YOHANAN Yohanan ou Yehohanan (João) que se decompõe em Yeh, Yo, Yaho (abreviações de Yahweh, Javé, Deus) e hanan (compadecer-se), com o sentido de Deus teve misericórdia, se compadeceu
ELOI Senhor de todas as coisas
PALET Libertador
MARGEN Protetor
AARÁ Meu Pastor
JEHOSHUA Javé é a Salvação
EL ROI Deus que vê
ADON HAKAVOD Rei da Glória
EL SHADAI Deus Todo.Poderoso
YAVEH TIÇAVAOT Senhor das Hostes Celestiais
ROBECA Que te sara
YAVEH EL ELION NORAH O Senhor Deus Altíssimo é Tremendo
NIKADISKIM Que nos santifica

RAFÁ Que cura
JEOVÁ JASER O Senhor é Reto
SALVAON Senhor Todo Poderoso
YHWH Nome impronunciável de Deus; sempre que aparece
na Bíblia, é traduzido como Senhor
JEOVÁ HOSSEU O Senhor que nos criou
JEOVÁ ELOHEKA O Senhor teu Deus
MALAH BRIT O Anjo da Aliança
EL RAÍ O Deus que tudo vê
EL CANÁ O Deus zeloso
EL DEOT O Deus das Sabedorias

Sabemos então que Deus tem muitos títulos, mas qual é o nome que deve ser conhecido por seu povo?Em Deuteronomio12:5:6 diz: Mas o lugar que o SENHOR vosso Deus escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis
Segundo esta escritura nosso Deus faz uma revelação: Onde ele escolher para por o seu nome é o lugar de sua habitação, então vemos que se encontrarmos o nome de Deus também encontraremos o lugar onde ele habita, pois Deus não habita em templos feita por mão humanas


Atos 7:48:49 Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta:
O céu é o meu trono, E a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? diz o Senhor, Ou qual é o lugar do meu repouso?

Como encontrar então o lugar escolhido por Deus, onde ele colocou o seu nome e sua habitação.Para isso é necessário que Deus possa abrir nosso entendimento para sua palavra e realmente termos sinceridade com o nosso Deus, pois sua palavras diz em:

Efésios 1:17 Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de [sabedoria] e de revelação;Vemos então que não basta ter só conhecimento mas é necessário que Deus nos de revelação de sua palavra para entendermos completamente. Se pela palavra de Deus ele disse que teria um lugar onde ele colocaria seu nome e só através de sua palavra para identificar, não existe outra maneira e o que temos que fazer é examinar as escrituras.
Vamos começar então?
Êxodo 3 :13 : 15 Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi?
E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.
E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração.
Quando Moisés pediu uma identificação do nome de Deus para o povo o Senhor disse eu sou me enviou a vós, vemos aqui uma maneira a qual Deus deixou para identifica-lo como Eu Sou
Em João 8 : 53 : 58És tu maior do que o nosso pai Abraão, que morreu? E também os profetas morreram. Quem te fazes tu ser?
Jesus respondeu: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus.
E vós não o conheceis, mas eu conheço-o. E, se disser que o não conheço, serei mentiroso como vós; mas conheço-o e guardo a sua palavra.
Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se.
Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos, e viste Abraão?
Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.O mesmo eu sou que outrora estava ali com Moises agora estava no meio de seu povo se identificando a si próprio através de seu filho Jesus mas o povo não conseguia ver isso, pois o seus olhos estava fechado para essa revelação.E isto é algo tremendo ate mesmo hoje para o nossos dias pois muitos não tem identificado também a deidade de nosso Deus em seu filho.Pois isto é uma revelação tremenda: o mesmo Deus que abriu o mar vermelho fez grandes sinais e maravilha para o povo no meio do deserto agora estava ali no meio de seu povo através de seu filho.colossenses 1:19 Porque foi do agrado do Pai que toda a [plenitude] nele habitasse. Com essa revelação entendemos então que Jesus estava em uma grande obra e essa obra era revelar o nome de Deus. A Bíblia afirma que Deus tem filhos, e se ele tem, deve haver o que seja o primeiro deles, e o primogênito de Deus se chama Senhor Jesus Cristo, o qual é irmão de muitos filhos de Deus. (Atos 2:36)

O próprio Filho de Deus afirma que ele tem um Deus, se ele tem, então logicamente ele não é o Deus todo Poderoso; como vemos em S. João 20.17 - Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. O mesmo sucede sobre o nome de Deus o pai celestial, o qual a maioria desconhece; mas o filho de Deus veio para revelar o nome de seu Pai aos seus irmãos; Hebreus 2:12 - Ele declara: “Vou anunciar teu nome aos meus irmãos; cantar-te-ei louvores no meio da congregação” S. João 17:26 Eu lhes dei a conhecer o teu Nome e ainda continuarei a revelá-lo, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e Eu neles esteja.”.

Porem qual foi o nome que ele anunciou ser o nome de Seu pai? Vejamos aqui em S. João 17:11 - Agora, não ficarei muito mais no mundo, mas estes ainda estão no mundo, e Eu vou para Ti. Pai santo, protege-os em Teu Nome, o Nome que me deste, para que sejam um, assim como somos um.

Então podemos observar que o Filho de Deus revelou o Nome de Seu Pai, o qual é idêntico ao nome de seu Filho, diferenciado somente que um é o Nome do Pai e outro é o Nome do filho de Deus o primogênito (Junior

João 17 : 26
E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja.

João 5 : 40 : 47Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.
Apocalipse 14E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em sua testa tinham escrito o nome dele e o de seu Pai.
Proverbios 30 : 4Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas numa roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome? E qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?
Medite bem neste versículos, e Responda agora está pergunta! Qual é o nome do pai e qual o nome do filho pois, a bíblia menciona que existe um nome e esta na testa dos escolhido.
Porem ainda fica uma dúvida e o Espírito Santo quem é? Pois diz as escrituras que Deus é Espírito. -João 4.24 - Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.
Efésios 4.30 - E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.
E a Bíblia afirma que o Pai de Jesus Cristo é Deus, o qual é o Espírito Santo. Mateus 1:20 E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo.
Jesus não teve dois pais ele foi gerado pelo Espírito Santo isto é o próprio Deus é o Espírito Santo.
Matheus 28 : 19
Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo
Pense!
Não se trata aqui, de simplesmente repetir essas palavras como se elas fossem algo sem nenhum significado, porem elas se enquadram perfeitamente com todas as escrituras relativas ao batismo bíblico que os apóstolos realizaram, quando a igreja foi inaugurada em pentecostes.
Agora, os apóstolos foram comissionados nessas escrituras que acabamos de lhe citar como por exemplo: Mateus, João, Lucas e etc. E os quatro evangelhos estão numa ordem, não por acaso, mas na ordem correta, guardando o livro de atos dos apóstolos, que são:atos do Espírito Santo na igreja.Esse livro ATOS DOS APOSTOLOS contem os relatos da igreja primitiva, que é o modelo, o exemplo que eles nos deixaram para seguirmos.Esses são os fundamentos corretos, os dos apóstolos e dos profetas, não aqueles que as igrejas estão seguindo nos dias de hoje.
O MEU POVO SABERÁ O MEU NOME. ISAIAS 52:6
Então os dicipulos apenas obedeceram
Atos 2 : 38
E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo
Atos 8 : 12
Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres.

Atos 10 : 47
E mandou que fossem batizados em nome do SENHOR. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.

Atos 19 : 03
Perguntou-lhes, então: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João.
Mas Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus.
Pai, Filho e Espírito Santo, seriam nomes, e não “O NOME” dado para perdão ou remissão dos pecados. LUCAS 24:47 e ATOS 10:43. Por isso não há nenhum batismo na bíblia repetindo essa ordem em títulos, mas cumprindo-a “EM NOME” para perdão dos pecados.Mas usaram o NOME. ATOS 10:43.Eles não repetiram os atributos, ofícios ou títulos do nosso Deus para perdão dos pecados.E quando fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus Cristo. COL. 3:17
O próprio apostolo Paulo disse para batizarmos em nome do Senhor Jesus Cristo. ATOS 19:1-5 – E advertiu as igreja para não irem alem disso em Gálatas 1:8, todavia iria você adiante...?O batismo é uma expressão externa para mostrar que tem sucedido algo no interior, porquanto a água não tem virtude, é só um símbolo. E o nome tem que estar sobre isto. COLOS. 3:17.Agora se não precisamos do batismo em águas, em que somos batizados?Alguns dizem que a água não pode salvar, não a água; mas devemos receber a água como uma ação externa de uma obra interna de graça que tem sido feita. Assim, naturalmente, é a mesma coisa com a Ceia do Senhor. Quando recebemos o Senhor, nosso sacrifício, dentro de nós como assunto de nascimento espiritual, vivemos por Ele pela palavra, e também devemos simboliza-lo por que é um MANDAMENTO.
E disse-lhe Pedro: ”Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”. ATOS 2:38 – Você diz:”Bem, então, porque você chama as pessoas para se batizarem de novo?- É porque estou seguindo o exemplo do principio. Não podemos perder esse plano de salvação. Como você construirá uma casa sem olhar se os fundamentos não estão de acordo com a palavra de Deus, como subsistirá as demais coisas...? Alguns pensam que o batismo de João é igual ao batismo apostólico porém não podia haver remissão (perdão) de pecados até que o sangue do Senhor não fosse derramado, porque sem derramamento de sangue não há remissão de pecados. (HEB. 10:22) Por essa razão Paulo teve que rebatizar aqueles crentes em Éfeso, pois estavam batizados para arrependimento porém não estavam para perdão dos pecados. Então que lhes disse Paulo? Atos 19:1; 5. Mas Paulo disse. Certamente João batizou com o batismo do arrependimento dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo, e os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus Cristo. Assim concluímos que para estarmos de acordo com as escrituras, com referencia ao batismo, devemos praticar conforme a igreja primitiva o praticou. Porque Pedro disse, em Atos 2:39 Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe, e tantos quantos o Senhor nosso Deus chamar – Você foi chamado por Deus? Então é para você também.

AOS JUDEUS -- ATOS 2:38
AOS SAMARITANOS -- ATOS 8:16
AOS GENTIOS -- ATOS 10:47, 48

Rebatizando os discípulos de João, ATOS 19:1-5. Todos judeus, samaritanos e gentios.
Seja você igualmente batizado, Pois ao contrario você estará sob a maldição da qual Paulo falou em GÁLATAS 1:8, pois o evangelho ao qual Paulo fez referência foi ao seu evangelho e não ao evangelho de uma denominação mas ao evangelho da Bíblia.

domingo, 24 de outubro de 2010

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Trinitarianismo


A mais predominante de muitas falsas doutrinas referentes à unidade de Deus é o trinitarianismo. Este erro se insinuou para dentro da Igreja pelo paganismo e manteve seu lugar na teologia através do governo totalitário dos imperadores romanos e da Igreja Católica Romana. Os reformadores Protestantes saíram da igreja papal mas trouxeram consigo algumas doutrinas pagãs. Juntamente com falsas doutrinas como, batismo infantil, aspersão, eles também reiteram o falso ensino da trindade. A reforma foi boa até o ponto em que mais uma vez chamou a atenção do homem para a Palavra de Deus, e na restauração de doutrinas Bíblicas rejeitadas ao seu próprio lugar na igreja. A reforma, contudo, não foi longe o bastante.
Muitos erros da Igreja Romana foram retidos. Outra reforma se faz necessária hoje, para livrar a Igreja de todos os erros pagãos e retornar às verdadeiras doutrinas da Bíblia.
I- DEFINIÇÃO DE TRINDADE
Trindade é a crença na existência de um Ser divino que subsiste em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo. O dicionário Webster define a palavra:“A união de três pessoas ou hipóstases (o Pai, o Filho, e o Espírito Santo) numa Divindade, de modo que todos os três são um Deus, com relação à substância, mas três pessoas ou hipóstases com relação à individualidade’’. (Webster’s Collegiate Dictionary, (F) 5ª edição). Trinitarianos não crêem que as três pessoas são uma pessoa ou que as três pessoas são três Deuses. Eles crêem em três pessoas que constituem um Deus.


II- TRÊS PROPOSTAS ENVOLVIDAS
Existem três propostas primárias envolvidas na doutrina da Trindade.
Estes três pontos são:
(1) A unidade composta de Deus.
(2) A divindade do Pai, do Filho e do Espírito.
(3) A personalidade do Pai, do Filho e do Espírito.
O fracasso na prova de qualquer uma destas três propostas, resultará no colapso desta teoria.
Para refutar a trindade, entretanto, necessita-se estabelecer apenas um dos seguintes três fatos:
(1) A unidade simples de Deus.
(2) Jesus não é Deus.
(3) O Espírito não é uma pessoa.
1- A Unidade Composta de Deus:
Os trinitarianos afirmam acreditar na unidade de Deus. Caso eles não afirmassem acreditar que Deus é único, sua doutrina seria revelada como não passando de politeísmo.
Os trinitarianos, entretanto, não crêem na unidade de Deus como ensinada na Bíblia. Eles rejeitam a verdade bíblica de que existe apenas uma pessoa que é Deus. Negam a simples unidade de Deus, insistindo que a unidade de Deus é composta. Advogam que existe uma única substância, uma inteligência e um propósito na Divindade mas que três pessoas eternamente co-existem daquela essência única e exercitam aquela única inteligência e único propósito. Dizem eles que a unidade de Deus refere-se à sua substância, essência ou ser.

2- A Divindade do Pai, do Filho e do Espírito:
O segundo ponto que os trinitarianos buscam estabelecer é que o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito é Deus. Tentam mostrar que cada um é mencionado como sendo Deus e que cada um possui atributos e obras de Divindade.
Também afirmam que os três são iguais em todas as formas, a única diferença é que eles são distinguidos por certas propriedades individuais, a saber, o Filho é gerado pelo Pai, e o Espírito procede do Pai e do Filho.

3- A personalidade do Pai, do Filho e do Espírito:
Como o terceiro ponto, os trinitarianos procuram provar que o Pai é uma pessoa, que o Filho é uma pessoa, e que o Espírito também o é. Cada um tem uma personalidade distinta dos outros dois.
Entretanto, cada pessoa é admitida como possuindo toda a essência divina e todos os divinos atributos. Cada pessoa da trindade é admitida como completamente Deus dentro de Si mesma. As três pessoas juntas, compartilham em comum a essência única, todos os atributos, uma substância, uma inteligência e um propósito.


III- ORIGEM HISTÓRICA DESSA DOUTRINA
1- Não mencionada na Bíblia
O trinitarianismo não é uma doutrina Bíblica. Esta teoria não é mencionada tampouco ensinada na Bíblia. As palavras “trindade” e “triúno” jamais foram usadas pelos escritores da Palavra de Deus. A doutrina da trindade era desconhecida pelos Israelitas do Velho Testamento e pelos Cristãos do Novo Testamento. Esta teoria não foi formulada até muitos anos após a morte do último apóstolo. Não há autoridade bíblica para a trindade; o que ocorre é que os Teólogos lêem nas entrelinhas das Escrituras na busca pela trindade, torcendo os textos Escriturísticos tentando o apoio à sua teoria, mas ainda a verdade de que a doutrina da trindade não é ensinada pela Bíblia, permanece. Graham Greene, um Inglês convertido ao Catolicismo, escreveu um artigo para a revista “Life” em apoio ao dogma na Igreja Católica concernente à ascensão de Maria aos céus. Neste artigo, ele admitiu não haver autoridade bíblica para a trindade:
Nossos oponentes às vezes afirmam que nenhuma doutrina deve ser sustentada dogmaticamente que não esteja explicitamente exposta na Escritura (ignorando que é somente pela autoridade da Igreja que reconhecemos certos Evangelhos e não outros como verdadeiros). Mas as Igrejas Protestantes, elas mesmas, aceitam tais dogmas como a trindade, para a qual, não há uma precisa autorização nos Evangelhos.” (Graham Greene “The Catholic Church’s New Dogma: The Assumption of Mary,” Life, 30/10/50, pg.51)
A doutrina da trindade além de não ser bíblica é também anti- bíblica. Não somente é verdade que a Bíblia não apóia tal teoria como também o ensino da palavra de Deus é diretamente oposto à ela. A Bíblia claramente afirma a verdade da não-composta unidade de Deus, que é o Pai. Ela afirma que Jesus é o Filho de Deus; também nos revela que o Espírito Santo é o poder impessoal de Deus.

2- Origem pagã
A doutrina da trindade é de origem pagã. A trindade, se insinuou para dentro da teologia da Igreja gradativamente durante os primeiros séculos da era da Igreja. Pagãos que aparentemente não estavam, completamente convertidos tornaram-se membros da Igreja visível. Como esses homens assumiram lugares de liderança como professores e teólogos, a teologia da Igreja gradualmente paganizou-se. Os ensinamentos da Bíblia foram reinterpretados e ajustados para se adaptarem aos ensinamentos da filosofia pagã.
Tríades de divindades prevaleciam na mitologia pagã. Embora muitos deuses fossem adorados em nações politeístas, geralmente havia três divindades que eram consideradas mais importantes. O hinduísmo cria em uma essência Brâhmane expressa em três personalidades: Brahma, o Criador; Vishnu, o preservador, e Shiva, o destruidor. O Zoroastrismo Persa cria em Ahura Mazda, a divindade boa, Angra Manya, a divindade má, que eram expressões de Mitra, a primeira grande causa. Confúcio, segundo é relatado, escreveu: “Tao (Deus) é por natureza único; o primeiro gerou o segundo; ambos em conjunto deram origem ao terceiro; estes três, criaram todas as coisas.”

Osíris, Ísis e Neftís parecem haver formado uma tríade de divindades no Egito. Na Babilônia, havia Ea, o deus dos resíduos aquosos, Enlil, o senhor das tempestades, e Anu, o senhor dos céus. Na Grécia, as três divindades entre as muitas sobre o Monte Olimpo eram Zeus, Hera e Atena. A tríade de divindades que os romanos adoravam sobre o monte do Capitólio era constituída de Júpiter, Juno e Minerva. As divindades mais importantes dos Germanos eram Odin, Tró e Freyr. Platão personificou três eternos princípios: Bondade, Intelecto e a Alma de tudo. A filosofia pagã de Platão que permeava o pensamento grego e romano, foi o fator principal que possibilitou a entrada de tais falsas doutrinas como a imortalidade da alma e a trindade na religião Cristã.
Embora a trindade do paganismo e a trindade do pseudo-cristianismo não eram idênticos em todos os precisos detalhes de definição, está aparente que uma originou-se da outra.

3- Primeiro uso da palavra
O primeiro uso da palavra “trindade” em sua forma grega ‘trias’ foi de autoria de Teófilo, que tornou-se bispo de Antioquia da Síria, no oitavo ano do reinado de Marco Aurélio (168 a.C.). Ele usou a palavra no segundo dos três livros que escreveu endereçados ao seu amigo Autólico. Comentando o quarto dia da criação no Gênesis, ele escreveu: ”Da mesma maneira também os três dias que foram antes dos luminares, são tipos da trindade, de Deus, de sua palavra, e Sua sabedoria.” (Teófilo, “Para Autólico”, The Ante-Nicene Fathers)
Tertuliano (160-220 a.D.) foi o primeiro à usar a palavra latina “trinitas”. Educado em Roma e presbítero em Cártago, Tertuliano lançou as bases da Teologia Latina, a qual mais tarde foi apoiada por Cipriano e Agostinho. Embora tenha denunciado Platão como filósofo herege, Tertuliano expressou sua teologia nos termos da filosofia de Platão. Ele estava entre os primeiros à ensinar a imortalidade da alma e a tortura eterna dos ímpios. A trindade e a imortalidade da alma foram desenvolvidas e formuladas dentro de um sistema de teologia por Agostinho.
Os escritos de Agostinho tornaram-se a teologia básica da Igreja Católica Romana. Tertuliano menciona a trindade em seu livro escrito contra Praxeas que apoiava a teoria monarquiana. Ele escreveu: “O mistério da dispensação ainda está guardada, que distribui a Unidade numa trindade, colocando em sua ordem as Três Pessoas - o Pai, o Filho e o Espírito Santo.” (Tertuliano. “Contra Praxeas,” - The Anti-Nicene Fathers)



IV- CONTROVÉRSIA ÀRIO-ATANASIANA

Atenção específica foi centralizada sobre a doutrina da trindade no início do quarto século como resultado de uma controvérsia entre dois líderes da Igreja em Alexandria, Ario (256-336) e Atanásio (293-373). Ario mantinha que Jesus, embora grande, era em algumas formas inferior à Deus. Atanásio, pelo contrário, afirmava que Cristo era igual à Deus em todos os modos.
Em 318 a.D., a controvérsia veio a tona. Ario afirmou que se Jesus era realmente Filho de Deus, então deveria ter havido um tempo em que havia um Pai, mas nenhum Filho. O Pai, portanto, era maior do que o Filho. Num Concílio da Igreja local celebrado em 321 a.D., Ario e seus colaboradores foram excomungados da Igreja por causa de sua opinião. Ario, entretanto, tinha muitos amigos e seguidores em todas as Igrejas da Cristandade. A falsa teoria da trindade não alcançou rapidamente uma posição dominante na Igreja. Pelo mesmo tempo em que a controvérsia entre Ario e Atanásio estava assolando as Igrejas, o imperador Constantino tornara-se o maior partidário do Cristianismo.
O imperador considerava a Igreja como uma grande força unificadora e estava ansioso para que o Cristianismo se tornasse a religião universal do Império Romano. Ele queria evitar todas as lutas internas da Igreja, arrazoando que deveria haver uma Igreja unida a fim de existir um império unificado.
Buscando restaurar a unidade às Igrejas, Constantino convocou uma reunião de um Concílio geral da Igreja à ser celebrado na cidade de Nicéia, em 325 a.D. Bispos e o clero de todas as Igrejas foram convidados para assistirem ao Concílio com todas as despesas pagas pelo imperador. O Concílio de Nicéia, entretanto, foi um Concílio de Igrejas na seção oriental do império. Enquanto é dito que compareceram ao Concílio 318 bispos além de oficiais eclesiásticos menores, não haviam sequer dez bispos do oeste presentes ao Concílio. O Concílio não era verdadeiramente representativo da Igreja inteira.
Eusébio, conhecido como o Pai da história da Igreja, no início do Concílio ofereceu um credo de acordo que usava a linguagem da Escritura em vez dos termos filosóficos usados por Atanásio. Os seguidores de Atanásio perceberam que um voto para Eusébio era realmente um voto para Ario, porque a Bíblia não confirma nada à respeito da doutrina da trindade. O compromisso de Eusébio, entretanto, foi rejeitado. O imperador Constantino, embora ignorante com relação aos fatos teológicos que estavam então em discussão, mas ansioso por alcançar unidade, apoiou Atanásio. A maioria dos bispos presentes assinaram então finalmente o credo formulado pelo grupo Atanasiano. Aqueles que não assinaram, incluindo Ario, Eusébio de Nicomédia e Teognis de Nicéia, foram banidos e seus livros queimados publicamente.
Isto, entretanto, não foi o fim. O debate prosseguiu por quarenta e seis anos. Ario e seus colaboradores foram chamados de volta do exílio dentro de três a cinco anos após o Concílio de Nicéia. Atanásio foi deposto por um grande Concílio em Tiro em 335 a.D., sendo deportado para Gaul. Ario morreu em 336. Durante os anos que se sucederam, os seguidores de Ario e Atanásio alternadamente foram banidos e chamados de volta, já que vários imperadores que governavam o império favoreciam ou uma ou outra teoria. O trinitarianismo não tornou-se a dominante e “ortodoxa” doutrina da cristandade até que Teodósio tornou-se imperador (379). Teodósio foi o imperador que fez do cristianismo a religião estatal. A união da Igreja e estado pavimentaram o caminho para a ascenção da Igreja Católica Romana.
Teodósio convocou um Concílio em Constantinopla, que se reuniu em 381 a.D. Foi assistido por cerca de cento e cinquenta bispos do oriente. No credo adotado, o trinitarianismo foi feito doutrina oficial da Igreja nas fronteiras do império. Todos os que discordaram foram expulsos de seus púlpitos e excomungados de suas Igrejas. Era o regime totalitário dos imperadores romanos e mais tarde da Igreja Católica Romana que possibilitaram a doutrina da trindade manter seu lugar numa teologia pervertida.
Crentes fiéis, mesmo fora da Igreja Católica Romana, continuaram a crer no ensino bíblico concernente a simples unidade de Deus. A região norte da Europa, convertida pelo grande missionário Ulfilas (Morreu em 381), abraçou a doutrina do Cristianismo Ariano que ensinava. Isto foi muitos séculos antes dos Ostrogodos, Visigodos, Burgúndios, Vândalos, Lombardos, e outros povos do norte Europeu terem finalmente se entragado à crença na Trindade, tornando-se eventualmente parte da Igreja Católica Romana. A história da Igreja e a história da doutrina revelam muitos crentes fiéis através de todos os vinte séculos da era Cristã que tem repudiado a teoria da trindade e insistido no ensino bíblico concernente à unidade de Deus.
V- TRINITARIANISMO NOS CREDOS
Durante os anos seguintes à morte dos apóstolos, muitas pessoas diziam ser cristãs mas não aceitavam os ensinos apostólicos. A fim de se determinar os verdadeiros crentes, cada Igreja local, listava certas doutrinas que os conversos cristãos deveriam crer. Estas listas de doutrinas e confissões de fé foram chamados de “credos” de ‘credo’ (Eu creio). Haviam tantos credos, quanto haviam Igrejas, muito possivelmente. O credo dos Apóstolos (Didakê), escrito muitos anos após a morte dos apóstolos e assim chamado pois pretendia incorporar os ensinamentos apostólicos, foi formulado de vários credos de várias Igrejas locais. Foi escrito para que todas as Igrejas locais pudessem ter uma confissão de fé comum.
O credo dos apóstolos (gr. Didakê” - ensino) não inclui a doutrina da trindade. Embora sejam mencionados sentenças referentes à Deus, Jesus, e o poder de Deus, o Espírito, a doutrina da trindade não é nem mencionada e tão pouco ensinada.

1- O Credo de Nicéia
Este é o primeiro Concílio à ensinar a trindade. O credo de Nicéia foi originalmente formulado pelo Concílio de Nicéia em 325 a.D. como segue:
”Acreditamos em Deus, o Pai, Todo-Poderoso, Criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis, e no Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, unigênito do Pai, o único, isto é, da essência do Pai, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus perfeito do Deus perfeito, gerado, não criado, sendo de uma substância com o Pai; por meio do qual, todas as coisas foram feitas, tanto na Terra como no céu; que por nós homens, e por nossa salvação, desceu e se fez carne, e foi feito homem; Ele padeceu, e no terceiro dia, levantou-se novamente, e ascendeu aos céus, de onde há de vir à julgar os vivos e os mortos; e no Espírito Santo. Mas aqueles que dizem:”Houve um tempo em que Ele não era”, e “Ele não era até que foi gerado” e, “Ele foi feito do nada”, ou “Ele é de outra substância” ou “essência”, ou “O Filho de Deus é criado”, ou “mutável” ou “alterável” - estes são condenados pela santa Igreja Católica Apostólica.” (Hodge, A.A.Op cit., pp. 115-116)

2 - O Credo Niceno-constantinopolitano
O credo de Nicéia como foi formulado originalmente não é o credo que por esse nome é repetido nas Igrejas hoje. O credo orignal foi emendado no Concílio de Constantinopla, 381 a.D., e no Concílio de Toledo, Espanha, 589 a.D. O anátema do credo original foi omitido e a porção referente ao Espírito Santo foi aumentada. A Igreja Grega rejeitou este credo porque o mesmo ensinava que o Espírito procedia tanto do Pai como do Filho. A presente forma do Credo Niceno é a seguinte:
”Creio em Deus, o Pai, Todo-Poderoso, criador do céu e da terra, e de todas as coisas, visíveis e invisíveis; e num Senhor, Jesus Cristo, o filho unigênito de Deus, gerado de Seu Pai antes de todos os mundos; Deus de Deus, luz da luz, Deus perfeito de Deus, gerado mas não criado, sendo de uma única essência com o Pai, por intermédio de quem todas as coisas foram feitas; que por nós homens e por nossa salvação desceu dos céus, e fez-se carne pelo Espírito Santo, da Virgem Maria, e foi feito homem; foi crucificado também por nós, sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado; e ao terceiro dia, levantou-se novamente de acordo com as Escrituras; e ascendeu aos céus, e está assentado à direita de Deus Pai. E virá novamente em glória para julgar aos vivos e aos mortos; cujo reino não terá fim. E creio no Espírito Santo, Senhor e Doador da vida, que procede do Pai e do Filho, o qual juntamente com o Pai e o Filho é louvado e glorificado, que falou pelos profetas. E creio na Igreja Católica e Apostólica, reconheço um batismo para remissão dos pecados; e aguardo a ressurreição dos mortos, e a vida do mundo por vir.”

3 - O Credo Atanasiano
Este credo, que é considerado pelos trinitarianos como sendo a mais profunda exposição daquela doutrina que existe atualmente, é assim denominado em honra de Atanásio. Entretanto, Atanásio não escreveu este credo, pois foi escrito muitos séculos após sua morte. Primeiramente, este credo apareceu em Gaul, na escola de Agostinho por volta do sexto ou sétimo século. Enquanto lendo este credo, note as contradições berrantes que o mesmo contém:

"1. Quem quer que seja salvo, antes de toda as coisas é necessário que retenha a fé católica.
2. A qual, a menos que seja mantida íntegra e imaculada por todos, será a razão sem dúvida alguma, pela qual estará perdido para todo o sempre.
3. Mas, esta é a fé católica: Que adoremos um Deus em trindade, e trindade em unidade.
4. Nem confundindo as Pessoas, nem dividindo as substâncias.
5. Pois, há uma pessoa do Pai, outra do Filho e outra do Espírito Santo.
6. Mas, a divindade do Pai, e do Filho e do Espírito Santo é uma só: a glória igual, a majestade co-eterna.
7. Tal como o Pai é, também são o Filho e o Espírito Santo.
8. O Pai não foi criado, tão pouco o Filho e o Espírito Santo.
9. O Pai é imensurável, o Filho é imensurável, o Espírito Santo é imensurável, como o Filho e o Espírito Santo.
10. O Pai é eterno, assim como o Filho e o Espírito Santo.
11. E, entretanto não existem três eternos, mas um eterno.
12. E também não existem três que não foram criados, nem três imensuráveis, mas um que não foi criado e um imensurável.
13. Assim, da mesma forma, o Pai é Todo-Poderoso, o Filho é Todo-Poderoso, e o Espírito Santo Todo-Poderoso.
14. E entretanto, não existem três Todo-Poderosos, mas um Todo-Poderoso.
15. Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus.
16. Entretanto não existem três deuses, mas um Deus.
17. Assim, o Pai é Senhor, o Filho é Senhor e o Espírito Santo é Senhor.
18. E ainda assim não existem três Senhores, mas um Senhor.
19. Pois assim como somos compelidos pela verdade cristã reconhecer todas as Pessoas por Si como sendo Senhor e Deus.
20. Também somos proibidos pela religião católica de dizer que há três deuses ou três Senhores.
21. O Pai não foi originado de nada, nem criado, nem gerado.
22. O Filho é do Pai apenas não feito, não criado mas, gerado.
23. O Espírito Santo é do Pai e do Filho, não feito, não criado, nem gerado mas, procedente.
24. Portanto, há um Pai, não três Pais, um Filho, não três Filhos, um Espírito Santo, não três Espíritos Santos.
25. E nesta trindade, nenhum é antes ou depois de outro, nenhum é maior ou menor do que o outro.
26. Mas, todas as três Pessoas são co-eternas, juntas e co-iguais.
27. De modo que em todas as coisas, como dissemos antes, a Unidade na Trindade, e a Trindade na Unidade deve ser adorada.
28. Aquele que portanto será salvo, deve refletir sobre a Trindade.
29. Além disso, é necessário para a salvação eterna, que creiamos também de maneira correta na encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo.
30. Então a fé correta é, que creiamos e confessamos que Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, é Deus e homem.
31. Deus da essência do Pai, gerado antes dos mundos; e Homem, segundo a essência de Sua mãe, nascido no mundo.
32. Deus perfeito; Homem perfeito, de alma racional e carne humana subsistente.
33. Igual ao Pai, no tocante à Sua natureza Divina, inferior ao Pai no tocante à Sua natureza humana.
34. E embora Ele seja Deus e Homem, ainda assim não é dois, mas um Cristo.
35. Um, não pela conversão da Divindade em carne, mas pela ascensão da Humanidade para Deus (para o interior).
36. Um, todos juntos não pela confusão da essência, mas pela unidade pessoal.
37. Pois assim como a alma racional e a carne racional é um homem, também Deus e Homem é um Cristo.
38. Que padeceu pela nossa salvação, desceu ao Hades, levantou-se dos mortos ao terceiro dia.
39. Ascendeu aos céus; está assentado à mão direita de Deus, o Pai Todo-Poderoso.
40. Donde há de vir à julgar os vivos e os mortos.
41. Em cuja vinda, todos os homens devem levantar-se novamente com seus corpos.
42. E darão contas por suas próprias obras.
43. E aqueles que tiverem praticado o bem entrarão na vida eterna, mas, os que houverem operado o mal, para o fogo eterno.
44. Esta é a fé católica, a qual caso um homem não creia verdadeiramente e firmemente, não pode ser salvo.(Curtis,W.A.”A History of Creeds and Confessions of Faith”; Schaff, Philip. “Creeds of Christendom.”)


VI- ARGUMENTOS TRINITARIANOS CONSIDERADOS

Chega à ser quase patético considerar os argumentos debilitados que lançam mão os trinitarianos para defender sua teoria. Eles admitem que a doutrina não está firmada na Bíblia, entretanto, se agarram à toda pequena frase nas Escrituras que possa ser usada de alguma forma para apoiar sua falsa doutrina.

I - UM TEXTO ESPÚRIO
O único verso nos escritos que aparenta ensinar a trindade é I João 5:7, ” Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a palavra e o Espírito Santo; e estes três são um.” Geralmente é aceito entre os eruditos que este verso é espúrio, não sendo parte genuína da Bíblia, portanto, sem autoridade. Sendo pois este verso forjado, já que não consta nos melhores manuscritos, presume-se que o mesmo foi inserido por algum escriba trinitariano durante a Idade Média. Hoje em dia, trinitarianos honestos não usam este verso no ensino de sua doutrina.Quase todas as versões e traduções modernas corretamente omitem as palavras deste verso. (Obs.”O Novo Testamento Grego Analítico”- Barbara & Timothy Friberg, baseado nos antigos códices da Sociedade Bíblica Americana, também omite o verso 7, exposto acima,de I João 5.)

II - OCORRÊNCIA DE TRÊS PALAVRAS JUNTAS
Um dos principais argumentos usados pelos trinitarianos é o fato de que Deus, Jesus e o Espírito Santo são mencionados juntos em alguns versos. Dizem eles que isso prova a trindade. Isto não é verdade. O fato de que três palavras ocorrem na mesma sentença não é indicação em si mesmo que os fatores ou pessoas mencionadas são iguais ou até necessariamente relacionadas. Eis alguns versos usados por eles:

Mateus 3:16,17 - Batismo de Jesus > João 14:16 - A promessa do Consolador > Mateus 28:19 - A Grande Comissão > 2 Coríntios 13:13 - Benção > 1 Pedro 1:2O - Os Eleitos

1. Mateus 3:16,17 >Este texto descreve eventos ligados ao batismo de Jesus. Após Jesus ter sido imergido no Rio Jordão, Deus enviou Seu poder, o Espírito, a Jesus e declarou que Ele era Seu Filho. Incluídos neste incidente estão Jesus, Deus e o Espírito de Deus. Isto, entretanto, não prova nem indica a trindade. O Espírito, que é o poder de Deus, desceu como pomba sobre Jesus batizado. Nada há em absoluto neste incidente que mostre que o Espírito é uma pessoa. Nada há aqui que sequer insinue a idéia de que Jesus, Deus e o Espírito são co-iguais e co-eternos. A subordinação do Filho a Seu Pai, além disso, é revelada pelo fato de que o Pai enviou o Espírito enquanto o Filho era quem o recebia. O Pai nos céus era quem falava. O Filho, saído da água, era quem o Pai reconhecera como Filho.
2. João 14:16
Jesus prometeu Seus discípulos que após Ele haver ascendido aos céus, Ele receberia o Consolador de Seu Pai, e então, envia-lo-ia para eles. O Pai deu Seu poder à Jesus, por
Sua vez, Cristo deu Seu poder à Seus discípulos. Esta promessa cumpriu-se no dia de Pentecostes (Atos 2:33).Deus, Jesus e o Espírito são mencionados juntos aqui. Este fato, entretanto, não prova, nem insinua a trindade. Deus, Jesus, e o amor de Deus são mencionados juntos em diversos versos. Os mesmos argumentos usados pelos trinitarianos personificaria também o amor de Deus e o transformaria numa pessoa da Divindade. O mesmo se aplicaria à sabedoria de Deus e outros atributos. Os argumentos trinitarianos resultariam em tantas pessoas da Divindade quantos atributos houvessem na natureza Divina: isto é absurdo... O fato de que uma das habilidades ou atributos de Deus é usada em conexão com Deus e Seu Filho não é indicação de que uma trindade de pessoas é por este meio ensinada.

3. Mateus 28:19
Neste texto a palavra “nome” no original está no singular; esta palavra não refere-se a um nome pessoal: designa simplesmente autoridade. “O Pai” não é o nome pessoal de Deus, é um título, pois Seu nome pessoal é YHVH, de pronúncia desconhecida, razão porque usamos "Adonai". “O Filho” não é o nome pessoal de nosso Salvador, é também um título, pois Seu nome pessoal é Yeshua (Jesus). O Espírito Santo é o poder de Deus, não é uma pessoa, portanto, não tem um nome pessoal.


IMPORTANTE:
Era o próprio Jesus que seria o próprio “Advogado” ou “Paráclito”, o qual segundo João 14:26 seria enviado posteriormente. Podemos verificar isso através de I João 2:1, onde encontramos Jesus Cristo como Advogado, em grego “Paráclito”. Foi o próprio Jesus que prometeu estar com os discípulos e os crentes através das eras, sempre, até a consumação dos séculos (Mat. 28:20), e também seria sua fonte de conforto e auxílio. Jesus disse: “Não vos deixarei órfãos: voltarei para vós” (João 14:18). A obra do Espírito de Cristo como Confortador, advogado e auxiliador não era senão a obra do próprio Cristo como confortador, Advogado, e Auxiliador através daquele poder divino.
A palavra grega para Confortador “Parákletos” é masculina em gênero. (João 14:16; 17:26;15:26;16:7-8,13-15).


**Gostaríamos que algum dos muitos trinitarianos sinceros pudesse responder as dez perguntas que se seguem com o intuito de esclarecermos, e revelar definitivamente a farsa que envolve a doutrina da trindade, que é uma sombra que ainda paira sobre muitas seitas denominadas cristãs. Esta sombra de Babilônia, é também parte de seu vinho de prostituição o qual ela tem dado à beber todas as nações da terra.

1) Sendo I João 5:7 um texto espúrio, com sinceridade, devem os trinitarianos usá-lo para defender sua doutrina?

2) O Pai é uma pessoa. Seu nome é YAHWEH ou JEOVÁ. O Filho é uma pessoa. Seu nome é JESUS CRISTO. Qual é o nome do Espírito? Não tem nome? Então é impessoal!

3) Porque temos comunhão com o Pai e com Seu Filho, e desfrutamos da comunhão do Espírito? Porque não temos comunhão com o Espírito?


4) A quem reconheceu Jesus Cristo como único Deus verdadeiro, à Ele mesmo, ou à Seu Pai? (João 17:3)

5) Já após Sua ascensão e glória, quando da visão de João da Ilha de Patmos, como Jesus referiu-se à Seu Pai? (Apoc. 3:12).

6) Cristo admitiu que nada podia senão pelo Pai: (João 5:19 / 5:30 / 8:28). Como se explica isso? Jesus sendo Deus não seria auto suficiente, completo em Si mesmo?

7) Como explicam os trinitarianos o texto de I Cor. 8:6? “Para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo, e para quem nós vivemos.”
Obs: Jesus nunca foi chamado de Pai, mas, sim de Filho.

8) Por que não há oração dirigida ao Espírito Santo, e os apóstolos raramente costumavam citá-lo em suas saudações e doxologias de suas epístolas?

9) Em Apoc. 22:1 encontramos já na Nova Terra, os tronos do Pai e do Cordeiro (Jesus / João 1:36); Se Jesus é Deus por que deve Ele ter um trono separado do Pai? E o Espírito Santo...onde está seu trono, já que ele faz parte da “trindade”?

10) Sabendo-se que a “trindade” é uma refinada heresia que se infiltrou na Igreja nos primeiros séculos, através do paganismo de Constantino, deliberadamente continuariam à propagar uma dose a mais do vinho de Babilônia?

quinta-feira, 15 de julho de 2010

SUA IGREJA CRÊ EM TODA BÍBLIA?

EXAMINE SUA IGREJA COM A PALAVRA DE DEUS, E VEJA SE ELA ESTÁ CORRETA OU ESTÁ LHE ENGANANDO.(Mat. 24:24)
E Você sabia. que..?
Que a Regra de Salvação da Bíblia Sagrada é (Apocalipse 22:18-19) Quem acrescenta ou diminui não terá direito à Jerusalém Celestial! E que a Bíblia tem sido invalidada e menosprezada pelas tradições humanas e religiosas (Mateus 15:9), e estas igrejas enganam (e pode ser sua igreja).
Você já ouviu de propaganda enganosa?? É aquele anuncio mal intencionado de certo produto e quando se vai averiguar não é conforme foi noticiado, e hoje existe Uma Propaganda Enganosa de que você pode ir ao Reino de Deus acrescentando ou diminuindo a Palavra de Deus.
Hoje bem próximo da Segunda vinda de Jesus Cristo há uma tradição (propaganda enganosa) dizendo que milhões irão ao arrebatamento e haverá um desaparecimento de grande multidão, mas Jesus disse (Mateus: 22:14) que poucos são os escolhidos, e em (Mateus 24:38) Ele disse que seria como nos dias de Noé, somente 8 almas foram salvas e em Lucas 17:28 disse que seria como nos dias de Ló, somente 3 almas foram salvas.
Agora como posso eu estar entre os salvos e participar do Rapto?? Jesus disse em (Mateus 7:21) que nem todo que me diz Senhor, Senhor entrará no reino dos céus (crentes fazem isto) mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus (o que cumpre a Palavra Original).
Que quem crer e for batizado será salvo (Mc. 16:16), e que há somente um batismo Original (Efésios: 4:5) e esse era o que os Apóstolos realizavam.
Que não existe nenhuma pessoa na Bíblia batizada nos Títulos Pai, Filho, e Espírito Santo como fazem hoje as denominações religiosas e evangélicas (propaganda enganosa).
Que em Mateus 28:19 não é batismo e sim uma ordem para batizar! E em Atos 2:38 é o cumprimento desta ordem, além do mais existe uma diferença entre repetir a ordem e cumpri-la.
Os Apóstolos de Jesus cumpriram a ordem inclusive Mateus (Atos 2:14) batizando os que creram em Nome do Senhor Jesus Cristo, e não em Títulos. Veja:
O batismo nos títulos Pai, Filho e Espírito Santo aconteceu por ordem do imperador Romano Constantino, no Concílio Mundial de Igrejas (Concílio de Nicéia) no ano 325, depois da morte dos Apóstolos. E foi ai que sucedeu a grande perseguição da Igreja de Roma sobre a verdadeira Igreja de Jesus que permaneceu na Palavra Original.
Com quem devemos permanecer? Com a Bíblia ou com o que o Concílio decidiu, cheio de tradições e ensinamentos que não ensina a Palavra de Deus.
Veja as diferenças dos batismos existentes:
Veja se eu posso fazer o correto, para que fazer o errado (sendo enganado)
Alguém pode dizer que o batismo não salva, mas Jesus disse “Aquele que crer e for batizado (correto)
será salvo (Marcos 16:16)”.
A Santa ceia é feita com vinho e não com suco de uva ou de outra coisa e é ministrada com pão Asmo e
não com bolachas, pão de ló ou bolo (Lev. 2:11)
E que na Santa Ceia a Bíblia nos mostra o Lava Pés (João 13:1-17) e quem não o faz Não Tem Parte com
Ele (Jesus) (S. João: 13:8)
E que a Bíblia Proíbe a Mulher ensinar na Igreja (I Cor 14:34 e I Tim: 2:11.12)
E que seu nome Não é escrito no Livro da Vida quando aceita a Jesus (Apoc 17:8) mas foi escrito antes
da fundação do mundo.(Predestinação)
Os dons espirituais, como falar em línguas ou profetizar ou fazer milagres, não quer dizer que a pessoa
está bem com Deus (Mateus:. 7:20.23)
E você sabia que Deus prometeu enviar um poderoso Profeta (como o Elias do Antigo testamento)
Malaquias: 4:5, Mateus 17:11 – E Isto já foi cumprido, e ele trouxe uma mensagem de Deus para tirá-lo.

terça-feira, 29 de junho de 2010

VERDADES BÍBLICAS QUE FORAM MUDADAS PELA FALSA VINHA!



DEUS TEM NOME? QUAL É?

Êxodo 3:13,14- “13-Então, disse Moisés a Deus: Eis que quando vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi?14-E disse a Moisés: Eu Sou O Que Sou. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós.”

QUEM É O GRANDE EU SOU, SERIA ESSE O NOME DE DEUS?

João 8:58- “58-Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que, antes que Abraão existisse, Eu Sou.”

LEIA COM ATENÇÃO DEUTERONÔMIO 12:5 “mas buscareis o lugar que o Senhor, vosso Deus, escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome e sua habitação; e ali vireis.”

Com base nesse versículo podemos entender João 17:26- “26-E eu lhes fiz conhecer o teu nome e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja.”
João 5:43- “Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.”

AGORA SABEMOS QUE DEUS COLOCOU SEU NOME EM SEU FILHO AMADO E FEZ NELE SUA HABITAÇÃO

Se você ainda tem dúvidas sobre essas verdades, observe esses versículos: Atos 7:48- “mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta:”/ Isaías 9:6- “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado esta sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.”

PROVÉRBIOS 30:4- “QUEM SUBIU AO CÊU E DESCEU? QUEM ENCERROU OS VENTOS NOS SEUS PUNHOS? QUEM AMARROU AS ÁGUAS NA SUA ROUPA? QUEM ESTABELECEU TODAS AS EXTREMIDADES DA TERRA? QUAL É O SEU NOME, E QUAL É O NOME DE SEU FILHO, SE É QUE O SABES?

CHEGAMOS AO NOME DE DEUS: “SENHOR JESUS CRISTO” ; TANTO O PAI COMO O FILHO TEM O MESMO NOME!

Ainda tem duvidas que esse é o nome de Deus? Filipenses 2:9,10e11-“Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo nome,10-para que ao nome de Jesus Cristo se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, 11-e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai.”

Efésios 3:14,15- “Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, 15-do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,”

DEUS JAMAIS ENTRA EM CONTRADIÇÃO: Isaías 7:14- “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará a luz à um filho, e chamara o seu nome de Emanuel.”

Matheus 1:20b, 21- “:José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo. 21-E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.”

Todo bom leitor da bíblia sendo religioso ou não sabe que a tradução de Emanuel, é Deus conosco.

PORQUE BATIZAR NO NOME DO SENHOR JESUS CRISTO?

Em Matheus 28:19- “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome (singular) do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;”

Ai vemos Jesus dando uma ordem usando nome no singular, pois a um nome que é o nome de um único Deus que tem ofício de Pai, Filho, e Espírito Santo. Isaías 45:21b,22 e 23- “21b E não há outro Deus senão eu; Deus justo e Salvador, não há fora de mim. 22-Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro. 23-Por mim mesmo tenho jurado; saiu da minha boca a palavra de justiça e não tornará atrás: que diante de mim se dobrará todo joelho, e por mim jurará toda língua.” 1ª João 3:23- “E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento.

O comprimento da ordem de Jesus, pelos discípulos:

Atos 2:36 ao 38- “36-Saiba, pois, com toda certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. 37-E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? 38-E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;”

Atos 8:12- “Mas como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tonto homens como mulheres.”

Atos 10:47,48- “47-Respondeu, então Pedro: Pode alguém porventura recusar água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo? 48-E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então rogaram-lhes que ficasse com eles por alguns dias.”

Atos 19:1 ao 6- “1-E sucedeu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado por todas as regiões superiores, chegou a Éfeso; e achando ali alguns discípulos, 2-Disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo. 3-Perguntou-lhes, então: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João. 4-Mas Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. 5-E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus.”

Não vemos em nenhum momento na Bíblia os Discípulos batizando nos títulos Pai, Filho, e Espírito Santo, nem poderiam, pois Moisés já havia dito que Deus revelaria seu nome (Deut. 12:11-Então, “haverá um lugar que escolherá o Senhor, vosso Deus, para ali fazer habitar o seu nome;”) e qualquer um pode ser pai de alguém assim como filho também, mas só um é o Cristo (Deus conosco). Jesus revelou o nome a seus irmãos Matheus 16:15 ao 18- “Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? 16-E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. 17-E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai,que esta nos céus. 18-Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra (revelação) edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela..”

Essa é a maior revelação, quem é Jesus Cristo, e sua igreja esta edificada sobre ela.- Col. 2:9 “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.”

Gal. 3:27- “porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo


1ª João 2:12- “Filhinhos, escrevo-vos, porque pelo seu nome vos são perdoados os pecados.”

Só a uma maneira de ter seus pecados perdoados, sendo Batizado no nome do SENHOR JESUS CRISTO.


Diante de tantas escrituras, não crer nisto passa ser incrêdulidade, e sabemos que sem Fé é impossível agradar a Deus.
Mas vamos adiante pois de Gêneses á Apocalipse tudo esta em plena concordância.

DOÚTRINA DA TRINDADE E UNICIDADE QUANDO E ONDE SURGIRAM?

Essas duas doutrinas, uma oposta da outra, tiveram seu nascimento no Concílio de Nicéia (325dc), que foi coordenado por Constantino junto à igreja Católica com interesses extremamente políticos (Pesquise Livros históricos ou pela Internet Concílio de Nicéia) nesse concílio foram introduzidos doutrinas pagãs e dogmas e credos, que com o passar do tempo se tornaram quase que imperceptíveis, que precisaria de uma revelação de Deus para voltarmos á sua palavra original. Hebreus 13:9- “Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça (verbo, João 1:1 ao 5) e não com manjares, que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram.”

Como é difícil para o povo crer na Bíblia Sagrada, mesmo para aqueles que se dizem ser “Cristãos. A concepção a respeito da Divindade é tão polêmica desde o Concilio de Nicéia.
Alguns crêem que Deus é uma trindade de Pessoas (Três pessoas distintas) segundo o dicionário , distintas significa diferenciáveis; outros não podem crer que Jesus Cristo é o Filho de Deus, a ponto de afirmarem que Deus o Pai e o Filho de Deus são a mesma pessoa (unicidade).

Em um único verso Bíblico concertamos os ensinamentos errônios estabelecidos no Concilio de Nicéia; da existência da trindade e da unicidade. João 20:17- “Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.” (de Gênesis a Apocalipse nunca foi mencionada a palavra Trindade ou Unicidade)

O mesmo sucede sobre o nome de Deus o Pai Celestial, o qual a maioria desconhece; mas o Filho de Deus veio revelar a seus irmãos; Hebreus 2:12- “Vou anunciar teu nome aos meus irmãos; cantar-te-ei louvores no meio da congregação.”

Em Matheus 1:28-“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.”
Nisso vemos que Deus o Pai e o Espírito Santo são a mesma pessoa; “ Deus é Espírito João 4:24.”

Para fecharmos este assunto: 1ªJoão 1:3-“O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo.”

Estamos no tempo do fim, na última era da Igreja no fim da dispensação dos gentius.

Veja o que a Bíblia diz sobre isso: Malaquias 4:2,5 e 6- “Mas para vós, os que temeis o nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerro da estrebaria. 5-Eis que eu vos envio o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor; 6- E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição.”

Entenda esses Versículos peculiares: Nós sabemos que os pais da Fé Cristã são os Judeus; Pois a salvação vem dos Judeus (João 4 :22b.) Já os filhos são os gentius, porque quando os Judeus não receberam Jesus como o Cristo, a dispensação passou para os gentius (filhos)e o evangelho tem sido pregado em todo o mundo, agora no final da dispensação dos gentius, Deus enviou o profeta Elias para restaurar a nossa Fé aos nossos pais (do Pentecoste) quando o coração de todos era um só com a Palavra Genuína; estamos no Arrebatamento: Logo a Graça voltará para os pais (Judeus) pois os Eleitos (Noiva de Cristo) estarão com ele, e ai virá o milênio.

Então se cumprira o que esta em Zacarias 14:9- “E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia, um será o Senhor, e um será o seu nome.”

Que Deus de entendimento a todos os que crêem e confiam em sua Palavra, pois todos seremos julgados por ela.

domingo, 21 de março de 2010

Ordem do Senhor


E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: QUE FAREMOS VARÕES IRMÃOS? ATOS 2:37
E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em NOME DE JESUS CRISTO para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo. ATOS 2:38
Há três coisas que temos de fazer como símbolos: A Ceia do Senhor, o ato do lava pés e o batismo em água.
A ordem do Senhor Jesus Cristo para o batismo está em São Mateus 28:19, e se você tiver uma bíblia a seu alcance, então leia por favor esse verso. Muito bem, essa é a ordem e ela esta em forma de uma parábola, ou seja, esta para aquele a quem Deus o quiser revelar.
QUAL É O NOME DO PAI, E DO FILHO, E DO ESPIRITO SANTO? Pense!
Não se trata aqui, de simplesmente repetir essas palavras como se elas fossem algo sem nenhum significado, porem elas se enquadram perfeitamente com todas as escrituras relativas ao batismo bíblico que os apóstolos realizaram, quando a igreja foi inaugurada em pentecostes.
Agora, os apóstolos foram comissionados nessas escrituras que acabamos de lhe citar como por exemplo: Mateus, João, Lucas e etc. E os quatro evangelhos estão numa ordem, não por acaso, mas na ordem correta, guardando o livro de atos dos apóstolos, que são os atos do Espírito Santo na igreja.
Esse livro ATOS DOS APOSTOLOS contem os relatos da igreja primitiva, que é o modelo, o exemplo que eles nos deixaram para seguirmos.
Esses são os fundamentos corretos, os dos apóstolos e dos profetas, não aqueles que as igrejas estão seguindo nos dias de hoje.
O MEU POVO SEBERÁ O MEU NOME. ISAIAS 52:6

O filho herda o nome do Pai. – Uma pessoa pode ser: Pai, Filho e possui um espírito, mas nenhum destes títulos ou atributos são seu nome. temos o Pai, o Filho, e o Espírito Santo

PAI SENHOR = ISAIAS 42:8
FILHO JESUS = MATEUS 1:21
ESPIRITO SANTO CRISTO (ser ungido) = JOÃO 6:69

Pai, Filho e Espírito Santo, seriam nomes, e não “O NOME” dado para perdão ou remissão dos pecados. LUCAS 24:47 e ATOS 10:43. Por isso não há nenhum batismo na bíblia repetindo essa ordem em títulos, mas cumprindo-a “EM NOME” para perdão dos pecados. Mas usaram o NOME. ATOS 10:43.
Eles não repetiram os atributos, ofícios ou títulos do nosso Deus para perdão dos pecados.
E quando fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus Cristo. COL. 3:17
O próprio apostolo Paulo disse para batizarmos em nome do Senhor Jesus Cristo. ATOS 19:1-5 – E advertiu as igreja para não irem alem disso em Gálatas 1:8, todavia iria você adiante...?
O batismo é uma expressão externa para mostrar que tem sucedido algo no interior, porquanto a água não tem virtude, é só um símbolo. E o nome tem que estar sobre isto. COLOS. 3:17.
Agora se não precisamos do batismo em águas, em que somos batizados?
Alguns dizem que a água não pode salvar, não a água; mas devemos receber a água como uma ação externa de uma obra interna de graça que tem sido feita. Assim, naturalmente, é a mesma coisa com a Ceia do Senhor. Quando recebemos o Senhor, nosso sacrifício, dentro de nós como assunto de nascimento espiritual, vivemos por Ele pela palavra, e também devemos simboliza-lo por que é um MANDAMENTO.
E disse-lhe Pedro: ”Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”. ATOS 2:38 – Você diz:”Bem, então, porque você chama as pessoas para se batizarem de novo?- É porque estou seguindo o exemplo do principio. Não podemos perder esse plano de salvação. Como você construirá uma casa sem olhar se os fundamentos não estão de acordo com a palavra de Deus, como subsistirá as demais coisas...? Alguns pensam que o batismo de João é igual ao batismo apostólico porém não podia haver remissão (perdão) de pecados até que o sangue do Senhor não fosse derramado, porque sem derramamento de sangue não há remissão de pecados. (HEB. 10:22) Por essa razão Paulo teve que rebatizar aqueles crentes em Éfeso, pois estavam batizados para arrependimento porém não estavam para perdão dos pecados. Então que lhes disse Paulo? Atos 19:1; 5. Mas Paulo disse. Certamente João batizou com o batismo do arrependimento dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo, e os que ouviram foram batizados em nome do senhor Jesus Cristo.
Assim concluímos que para estarmos de acordo com as escrituras, com referencia ao batismo, devemos praticar conforme a igreja primitiva o praticou.
Porque Pedro disse, em Atos 2:39 Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe, e tantos quantos o Senhor nosso Deus chamar – Você foi chamado por Deus? Então é para você também.


AOS JUDEUS -- ATOS 2:38
AOS SAMARITANOS -- ATOS 8:16
AOS GENTIOS -- ATOS 10:47, 48

Rebatizando os discípulos de João, ATOS 19:1-5. Todos judeus, samaritanos e gentios.
Seja você igualmente batizado, Pois ao contrario você estará sob a maldição da qual Paulo falou em GÁLATAS 1:8, pois o evangelho ao qual Paulo fez referência foi ao seu evangelho e não ao evangelho de uma denominação mas ao evangelho da Bíblia.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Assunto: A DEIDADE


Como é difícil para o povo crer na Bíblia Sagrada, mesmo para aqueles que se dizem ser “Cristãos”. A concepção a respeito da Divindade é tão polêmica desde o Concílio de Nicéia (325dc).

Alguns crêem Que Deus é uma trindade de Pessoas (mistério da trindade); outros não podem crer que Jesus Cristo é o filho de Deus, a ponto de afirmarem Que Deus o pai e o Filho de Deus são a mesma pessoa (mistério da unicidade).

Estes dois preceitos foram o que resultou sobre este assunto desde o concilio de Nicéia, porém, se temos a Bíblia Sagrada como nossa bússola, se a temos como a única verdade estabelecida, como pode haver divergência entre o assunto da Divindade ou Deidade.

A Bíblia afirma que Deus tem filhos, e se ele tem, deve haver o que seja o primeiro deles, e o primogênito de Deus se chama Senhor Jesus Cristo, o qual é irmão de muitos filhos de Deus. (Atos 2:36)

O próprio Filho de Deus afirma que ele tem um Deus, se ele tem, então logicamente ele não é o Deus todo Poderoso; como vemos em S. João 20.17 - Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.

Em um único verso Bíblico consertamos os ensinamentos errôneos estabelecido no concilio de Nicéia; da existência da trindade e da unicidade.

O mesmo sucede sobre o nome de Deus o pai celestial, o qual a maioria desconhece; mas o filho de Deus veio para revelar o nome de seu Pai aos seus irmãos; Hebreus 2:12 - Ele declara: “Vou anunciar teu nome aos meus irmãos; cantar-te-ei louvores no meio da congregação”

S. João 17:26 Eu lhes dei a conhecer o teu Nome e ainda continuarei a revelá-lo, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e Eu neles esteja.”.

Porem qual foi o nome que ele anunciou ser o nome de Seu pai? Vejamos aqui em S. João 17:11 - Agora, não ficarei muito mais no mundo, mas estes ainda estão no mundo, e Eu vou para Ti. Pai santo, protege-os em Teu Nome, o Nome que me deste, para que sejam um, assim como somos um.

Então podemos observar que o Filho de Deus revelou o Nome de Seu Pai, o qual é idêntico ao nome de seu Filho, diferenciado somente que um é o Nome do Pai e outro é o Nome do filho de Deus o primogênito (Junior).

Também toda a família de Deus toma Seu nome.Efésios 3:14 - Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, 15 Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,

Toda a família na terra toma o nome no batismo nas águas em nome do pai e do filho e do Espírito Santo o qual é Senhor Jesus Cristo. Atos 2:38 – 8:16 – 10:48 - 19:1 ao 7 – 22:16

Porem ainda fica uma dúvida e o Espírito Santo quem é? Pois diz as escrituras que Deus é Espírito. -João 4.24 - Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.
Efésios 4.30 - E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.
E a Bíblia afirma que o Pai de Jesus Cristo é Deus, o qual é o Espírito Santo. Mateus 1:20

sábado, 13 de março de 2010

O Evangelho se revela

O Evangelho se revela não pela verdade que se diz, mas pela verdade que se vive
"(...) nos saiu ao encontro uma jovem possessa de espírito adivinhador (...). Seguindo a Paulo e a nós, clamava, dizendo: Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação. Isto se repetia por muitos dias. Então, Paulo, já indignado, voltando-se, disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela. E ele, na mesma hora, saiu".(Atos 16:16-18)
O Evangelho não é um mero assentamento de verdades, não é uma mera anuência de verdades Bíblicas. O Evangelho se revela pela libertação da escravidão do pecado. O Evangelho se revela na vida de uma pessoa não pela a verdade nos lábios, mas pela verdade na vida. O Evangelho se revela não pela verdade que se diz, mas pela verdade que se vive. É essa lição importantíssima que podemos tirar desse texto. No verso 17, que, enquanto Paulo pregava o Evangelho na cidade de Filipos, uma moça possessa de um demônio adivinhador começou a "ajudá-lo" na pregação do Evangelho fazendo a seguinte afirmação: "esses homens são servos do Deus altíssimo, e vos anunciam o caminho da salvação". Tem alguma coisa errada nesta frase? - "Esses homens Paulo, Silas, Lucas são servos do Deus altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação...". Há alguma heresia, algum ensino heterodoxo? Há alguma inverdade? Não! Tudo está correto. Absolutamente certo, absolutamente de acordo com a revelação de Deus.
Mas por que então Paulo foi tão intolerante, intransigente e radical na sua atitude em relação àquela moça? Paulo, rechaçou veementemente a ingerência, a intromissão daquela jovem na pregação do Evangelho. Por que? O que havia de errado? Era porque aquela moça era alguém que falava a verdade, mas a vida ainda estava debaixo das garras do pecado, e de satanás. Porque ser cristão não é ficar papagaiando verdades bíblicas que decoramos, ser cristão é viver uma vida coerente com as verdades que se afirma. Porque o verdadeiro cristianismo não se mede, nem se afirma, pelas verdades que proferimos, mas pelas verdades que vivemos. Porque o Evangelho não é um mero assentamento de verdades, também não é uma mera anuência de verdades bíblicas. O Evangelho se revela pela libertação da escravidão do pecado. Revela-se na vida do cristão, não pela a verdade nos lábios, mas pela verdade na vida; não pela verdade do discurso, mas pela verdade da prática...
Há muitos falsos profetas(pregadores), muitas falsas igrejas, muitos falsos irmãos, que estão dizendo tudo certo. Em suas palavras não se encontra nenhum erro, não há nenhuma heresia no que eles dizem, mas as suas vidas não condizem com a verdade que eles pregam. A verdade está nos lábios, mas suas vidas continuam retidas, presas, manietadas pelo pecado(incredulidade) e por satanás.
A maior tristeza diante do cristianismo de hoje, é a existência de um bocado de gente como essa mocinha. Gente que fala verdades, mas a vida é um opróbrio, uma vergonha... uma mentira. Gente cuja mentira da vida desfaz as verdades dos lábios. Estão como aquela moça possuídos por demônios. Satanás fala muitas verdades, para poder de alguma forma enganar, ele tem enganado todo o mundo. Apocalipse:12:9
Que Deus tenha misericórdia da Igreja chamada cristã. Onde as palavras falam mais alto do que os atos. Que Deus tenha misericórdia da Igreja chamada cristã onde a fé não é autenticada pelas obras. Que Deus tenha misericórdia do patrão crente que faz culto na sua empresa, mas não dá testemunho de Cristo aos seus empregados; Deus tenha misericórdia do empregado que diz para o patrão ser cristão, mas é relapso e preguiçoso dentro da empresa. Deus tenha misericórdia do jovem que canta louvores na igreja, mas que suja o nome de Cristo em seu namoro mundano e vulgar. Que Deus tenha misericórdia desse cristianismo que não passa de palavras, palavras, palavras, e nada mais que palavras.